SAMOTRACIAS © João Catarino
SAMOTRACIAS © João Catarino

press to zoom
SAMOTRACIAS © João Catarino
SAMOTRACIAS © João Catarino

press to zoom
SAMOTRACIAS © João Catarino
SAMOTRACIAS © João Catarino

press to zoom
SAMOTRACIAS © João Catarino
SAMOTRACIAS © João Catarino

press to zoom
1/8
 

Em Paris, meados de 2014. Vivo em 13 metros quadrados a 2000 km de “casa” e trago em mim todos os sonhos do mundo. Sou mais uma [mulher] no meio dos 910.000 portugueses que, nesta cidade, procuram o mesmo que eu. Algo melhor do que aquilo que tinham. Uma vida, um trabalho?


Num alfarrabista encontro o livro de Nicole Caligaris, que confesso não conhecer enquanto autora, mas que me atrai pelo título: Les Samothraces (inspirado na maravilhosa estátua encontrada na ilha Grega com o mesmo nome). Mergulho nas palavras e nos silêncios desta aventura sem partida nem destino conhecidos, escrita numa língua que ainda não é (era) minha - e que talvez nunca venha a ser realmente. Nesta ode ao movimento, o meu coração é tocado pela tragédia daqueles que continuam a andar sem ter para onde ir. Relaciono-me com as três mulheres que carregam a história – agora tão mediatizada – de milhões de anónimos e clandestinos que tentam refazer as suas vidas noutros países. 


Em Paris, meados de 2014, faço a promessa de que um dia hei-de usar a prosa poética de Caligaris como base para um espectáculo ou performance. Em Loulé, 2022, parece-me, mais do que nunca, VITAL, cumprir o prometido. Aconteceram demasiadas coisas no Mundo (que, de certo modo, este épico, escrito em 2000, parecia antever) para que eu deixe passar mais tempo. Aconteceu a crise dos migrantes, aconteceu Mória, aconteceu uma pandemia global, o mundo fechou, sofreram ainda mais os mesmos de sempre. Continuou Gaza, continuou o Irão, continua o género a ser tabu. As alterações climáticas continuam inalteradas. Aconteceu o Afeganistão e as mulheres a ser tema de pena ou vergonha alheia, aconteceram os milhões por gastar na ajuda a refugiados e migrantes. Continua a desigualdade salarial e 50 milhões de mulheres em situações de extrema pobreza, em pleno século XXI. E agora (já com o projecto em pré-produção), a invasão da Ucrânia. Centenas de milhares de mulheres em êxodo com as suas crianças. A maior vaga de refugiados na Europa desde a 2ª Guerra Mundial. Como não ser uma Samotrácia?


De regresso ao meu ponto de partida (Portugal) acredito, mais do que nunca, que a Arte e a Cooperação Artística Internacional são fundamentais para falar do Presente e expor (mettre en lumière) alguns dos assuntos-chave para o nosso Futuro. Urge associar-me a quem quer dizer o mesmo que eu, porque – há verdades que permanecem inalteradas – se formos muitos (neste caso, muitas) mesmo em línguas diferentes, talvez consigamos fazer-nos ouvir melhor.


Carolina Santos 
(Direcção artística e interpretação)

 

Canto de sobrevivência, manifesto de uma horda em movimento, SAMOTRÁCIAS é o grito de três mulheres que se agarram à sua ânsia de emigrar. 

Sissi, a mais jovem, procura a fama no estrangeiro.

Sandra, mãe viúva, quer fugir a um novo casamento forçado e oferecer um futuro à sua filha.

Pepita, que passou a sua vida a servir os outros, procura um fim diferente para os seus dias.

São três mulheres que querem a mesma coisa: partir.

 

Esmagadas pela crença num outro futuro, vêem o seu propósito desvanecer-se numa viagem cruel.

 

O sonho reduzido ao instinto de sobrevivência.

Surge a dúvida, será que têm mesmo o direito de partir?

O movimento é o motor de um espectáculo trilingue (pt / fr / es) que tem por base o acto de migrar, a deslocação entre países nunca são nomeados, em que três atrizes dão vida à récita implacável de Nicole Caligaris, entrecruzando personagens e narração, num projecto que oscila entre a ficção e o registo documental, resultante de múltiplas entrevistas a mulheres migrantes, residentes no Algarve.

VER VÍDEO DOC AQUIVO SAMOTRÁCIAS

 

  FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

 

SAMOTRACIAS, a partir do texto Les Samothraces, de Nicole Caligaris
Cocriação e Interpretação Carolina Santos, Letícia Blanc e Ulima Ortiz

Direcção Artística Carolina Santos

Cenografia, Figurinos e Desenho de Luz Eduardo Jiménez Cavieres

Design Som Marco Martins

Fotografia e Vídeo João Catarino

Consultoria Artística Ricardo Correia e Alexandra Guarín

Execução Cenário e Figurinos Ana Karina Inês

Técnica de Luz Mafalda Oliveira

Técnico Audiovisual Samuel Beckman

Mediação Patrícia Amaral

Comunicação Patrícia Amaral e Martim Santos

Ass. de Imprensa This is Ground Control

Produção Pedro Silva e Sandrine Crisóstomo

Coprodução Portugal — Colômbia — Chile I Mákina De Cena, Fondación Teatro Libre de Bogotá

Financiamento Câmara Municipal De Loulé, Iberescena - Fundo de ajudas para as artes cénicas Ibero-Americanas

Apoios e Parcerias Auditório Carlos Do Carmo — Município De Lagoa, IPDJ Faro, Fundación Santiago Off, First Round — International Creative Platform, ACM – Alto Comissariado para as Migrações, CNAIM Faro, Fundação António Aleixo, Casulo — Laboratório De Inovação Social De Loulé, Vamus, Loulecópia 

Duração 70 min (aprox)

Class. Etária m/ 14

 

Datas passadas:

21 e 22 Outubro 2022 | Cineteatro Louletano | Loulé

24 e 25 Outubro 2022 | Auditório Carlos do Carmo | Lagoa

28 e 29 Outubro 2022 | Auditório IPDJ | Faro

12 e 13 Novembro 2022 | Festival Solos Ibéricos - Teatro Ibérico | Lisboa

Próximas datas:

a anunciar brevemente

 
 
SAMOTRACIAS © João CatarinoSAM_geral_25
SAMOTRACIAS © João CatarinoSAM_geral_25

press to zoom
SAMOTRACIAS © João CatarinoSAM_geral_28
SAMOTRACIAS © João CatarinoSAM_geral_28

press to zoom
SAM_final
SAM_final

press to zoom
SAMOTRACIAS © João CatarinoSAM_geral_25
SAMOTRACIAS © João CatarinoSAM_geral_25

press to zoom
1/29